segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Réu confesso




TE MO aqui do meu canto.
Escondo uma saudade inquieta. Cheia de desejos.
Não me entrego aos apelos do desejo,
Não espero nada do futuro, depois de tantas 
Idas e vindas. Traições e mentiras.
TE MO e cada notícia a seu respeito é uma nova agressão
Que atinge diretamente o meu peito.
Nunca prestamos um para o outro,
Tenho provas disso.
Encontramos tudo que precisávamos um no outro
Somos reféns de um vício.
TE MO, é o suficiente para eu permanecer quieto.
Temo que a vida me reserve dias sofridos 
E que meu coração seja um eterno órgão dorido 
Nas suas mãos.
Padeço de desejo, saudade, solidão...
Nenhum erro está livre da condenação. Sou réu confesso
E o Tim Maia é meu porta-voz, quando diz: "Venho lhe dizer se algo andou errado Eu fui o culpado, rogo o seu perdão. Venho lhe seguir, lhe pedir desculpas... Veja é uma parada viver sem te ver... "

Hoje sei que sem você sou saudade, libertação

E essa máquina que, de tanto apanhar, não escreve a letra ‘a’ em maiúsculo.
Imitando o defeito do coração.


E.N.Jr.






"Venho lhe dizer se algo andou errado Eu fui o culpado, rogo o seu perdão.
Venho lhe seguir, lhe pedir desculpas Foi por minha culpa a separação.Devo admitir que sou réu confesso E por isso eu peço, peço pra voltar Longe de você já não sou mais nada Veja é uma parada viver sem te ver."  (Tim Maia)