segunda-feira, 2 de outubro de 2017

O guri

Meu bem,

Que menino travesso esse nosso amor.
Quando ele sorri, queima.
Quando ele grita, nos paralisa.
Quanta personalidade.
Você cuidou dele tão bem enquanto eu estive perdido, ele é tão carinhoso e bondoso comigo, eu que o machuquei tanto, que fui tão ausente e confuso.

Toda noite ele deita comigo, eu fico de lado e o abraço, me fala do tempo que vocês estiveram juntos, me conta das suas noites sem dormir, da sua esperança, das lágrimas que ele enxugou do seu rosto, da raiva que você sentia, mas que nunca era de mim. Poderia ser raiva do mundo, da vida, até de Deus, mas nunca raiva do ariano da vida dele. Cada palavra que sai da sua boca me corta o peito feito navalha, as lágrimas brotam. Ele me fala das nossas semelhanças, do quanto nossos pensamentos coincidem, que nós desejamos voltar no tempo, sem perceber que o que queremos do passado é um ao outro, tornando essa viagem possível, bastando os dois estarem dispostos e conscientes do que querem. Fala, também, que você o carregava para todo canto que fosse, sempre zeloso, preocupado com as tentações do mundo, tinha medo que ele fugisse pros braços de um desconhecido. E, que, foi exatamente por tentar entregá-lo a um desconhecido que ele fugiu de você, encontrando conforto nos meus braços.

No começo foi tão difícil, ele me culpava por tudo, ria do meu desespero ao tentar consertar as coisas... Até que eu fui encontrar você, a essa altura eu carregava o nosso guri aonde quer que eu fosse. Ele estava comigo, e, a cada passo
ele pulava de alegria, elogiava a minha roupa que ele mesmo escolheu e a cada sorriso dele meu peito enchia de coragem. Até que chegamos, ele esperançoso e eu tenso; você estava lá, lindo, eu pensei  - nossa, como ele é lindo, e essa boca, que boca gostosa, quanta saudade. Você nos levou pra calçada, existia um outro amor nos seus olhos, nosso guri já não pulava mais, tinha uma certa tristeza no olhar, pois ele já sabia que dalí em diante seriamos ele e eu sem você. Saímos devastados.


Ele tinha apenas 6 anos e já sofria tanto e sempre falando em desistir que eu passei a lhe contar todos os momentos bons que passamos juntos. Falei do nosso primeiro encontro, do quanto você estava nervoso porque já sabia que ia me 'agarrar', ele rio. Ficou impressionando por eu me lembrar dos mínimos detalhes, por exemplo, a roupa que você estava: um boné preto da adidas, uma camiseta branca e um tênis preto (que vc comprou no cartão da sua avó, caríssimo), do filme louco que assistimos 'sweeney todd', que nesse dia eu estava todo de verde, inclusive com uma camisa que você, tempos depois, pegou pra ficar sentindo meu cheiro. Falei dos nosso encontros na casa de Mateus, do quanto a Boca do Rio é o sol e a tempestade da nossa história, que ele nasceu lá, falei de Neuzão e do quanto aquele quarto foi importante, falei de Berlique e do nosso plano de terminar depois daquela viagem, mas o plano foi por água a baixo e aquele foi um dos melhores momentos da nossa vida. Depois de três anos eu ainda tenho tanta história pra contar a ele. vamos fazendo companhia um ao outro, até que você volte ou não. Ele estará sempre comigo.



domingo, 7 de fevereiro de 2016

Pior do que todos os sonhos que tive, pior do que todos os pensamentos otimistas, piegas e burros, pior que o desejo entalado de te contar cada detalhe do que guardo no peito, pior que a saudade adestrada e contida pelo medo. Pior que tudo isso é te ver, pois tudo vem à tona e o coração já não pulsa mais. Ele berra, implora, rasteja, é um prisioneiro que se contorce dentro do peito pedindo libertação. O corpo é todo uma tentativa de não lhe agredir com gestos ou reações exageradas, mas tudo foge do que foi pensado quando a primeira palavra é dita 


 Nunca pensei ou desejei ser o humano mais perfeito, não que eu queira ser perfeito, tenho tentado ser o melhor que posso ser. Às vezes exagero a ponto de querer ajudar todos os mendigos e bêbados que encontro pela cidade e dou risada de mim mesmoSou uma confusão ambulante.Tenho medo que se afaste de mim por saber que sou desastrado, e não sei contar moedas, que derivados do leite me dão dor de barriga, que insisto em contar piadas mesmo não sabendo e quando estou com sono fecho só um olho na tentativa de dormir e fingir que estou acordado... que sou louco.

Que em mim existem duas personalidades: um velho e um louco. O velho é chato, está sempre me mostrando as consequências antes das causas, não deixa que eu fique pensando muito tempo em você, me isola tirando todas as esperanças das minhas mãos. Ele sabe das coisas que não darão certo. 
O louco espera te encontrar em um universo paralelo para deitar ao seu lado, te olhar nos olhos dizendo o quanto sonhou e esperou por aquele momento, querendo te abraçar até perder o ar, embriagado pelo seu cheiro. Enquanto o velho, coberto de melancolia, vai rir de contentamento, pois esse também é o seu sonho.


E. N. Junior








escrevi ouvindo essa música: Malanie Martinez - Bulletproof





"A mais bela roupa Roupa de ir à festa Coloquei pra te esperar Disco na vitrola Uma vela acesa E a lua mais cheia Quando o sol nascer será Para desenhar você Ou será você que virá pro sol nascer
Quando amanhecer será Para iluminar você Vai anoitecer o dia Se não vier Mas se for presente Tudo iluminará Meu humor, meu coração Como deve ser se Ser como Deus quer for Milagre, resignação Roupa colorida Alegria às vistas, indeiscência, indiscrição Seu cheiro me achando Minh'alma perdida Direi que é céu no chão" (Vanessa da Mata)

sábado, 29 de setembro de 2012

Você, eu e a saudade

Aquela velha saudade, vazia de nomes e de fatos, se faz presente.
Não consigo lembrar as consequências da sua última visita, 
nem mesmo por quanto tempo feriu. A saudade. 
Você nunca esteve aqui, nem o sabor dos seus lábios, 
muito menos o calor do seu abraço nesses dias frios. 

Você? 
Não sei quem o mandou. Sei que chegou quieto se instalou trazendo novos sorrisos, devaneios de um amor eterno que nem recíproco era (risos. Desculpa.). 
Me rendeu e partiu deixando a saudade do sonho, quase real, de viver uma história escrita por nós dois, seriamos nós e o mundo ou contra ele, caso fosse necessário. Nunca estando sós.
Eu? Atribuí a você responsabilidade de uma criança que, tão inocente de tudo, não tem a menor responsabilidade sobre aquilo que cativa e sai correndo por aí encantando a todos com sua beleza e simplicidade despertando-lhes o querer mais nobre, verdadeiro. 
A saudade? Vai me encontrar de olhos fechados e com um largo sorriso no rosto, o sorriso que você me pediu, pois quando a saudade aperta, fecho os olhos e, eu posso te ver.


E. N. Jr.






"Diga-me uma piada e eu te amarei, sirva-me uma bebida e serei seu. Eu não poderia mentir para ninguém. Quem é que nunca sentiu certeza de um romance da vida real? E eu não quero conhecê-lo agora mesmo. Arranje tempo para me mostrar suas cicatrizes. E qual a maneira para ser feliz. E um caminho para o inferno. Pois eu acho que perdi direção quando você lançou-me para fora da cama. God, can you hear me?" (The Magic Numbers -  which way to happy)





domingo, 16 de setembro de 2012

Delírio – Carta aberta a Francois Bien-aimé .

Peço que desconsidere tudo que tenho dito ultimamente. Não que eu esteja mentindo ou tentando lhe enganar, na verdade descobri que não sou eu quem diz todas essas coisas, ou melhor, sou eu, mas não racionalmente. Entendeu? É um pouco difícil, mas vou tentar explicar: Estou sofrendo de esquizofrenia e é um tipo bem raro, eu mesmo diagnostiquei na falta de uma explicação plausível. Como todo esquizofrênico, criei um mundo onde você se tornou a pessoa mais importante. Acordo pensando em você e vou dormir com o mesmo pensamento. No auge do transtorno, me pego olhando para o nada, te vejo e, no nada, você é tudo. É capaz de me tirar os pés do chão.

Sua imagem faz despertar desses lábios sedentos por um beijo, o sorriso mais encantado e embebido de paixão que os meus amigos já viram. Os mesmos dizem que o sintoma dessa minha doença está nos olhos, no quanto brilham ao falar de você, mal sabem eles que todo esse brilho é resultado de um esforço sobre-humano para não chorar ao lembrar do quanto sofro por não te ter. Me conheço e sei que jamais sentiria esse tipo de coisa por você. Sou muito melhor que isso, desculpa. Amor platônico não me convém.

Peço que não dê mais ouvidos ao que digo.
Nem mesmo agora que me encontro no meu estado normal,
Não me julgue pelo delírio ou pela minha aparente falta de equilíbrio.
Guarda todas essas palavras como o bilhete de alguém que,
sem a menor pretensão, ocupa o lugar mais esplendoroso e reles em sua vida.
Aceito a condição de tê-lo em meio aos devaneios, até onde der.

Quando não estou em mim peço todos os seus beijos e abraços.
Me acanho por não ter.
Quando sou eu, peço também que não me dê nada do que peço.
Me envergonho por querer.
Encanta-me e, daí mesmo, alimenta esse meu delírio com sintomas de sonho.
Para que eu possa continuar esse sonho com sintomas de delírio.

Je chante la chanson c'est-à-dire: "Même sans ta présence, je vais t'aimer. Dans mes poèmes, je t'écrirai: C'est toi que j'aime, c'est toi que j'aimerai
Tu sais, je souffrirai. A chaque instant d'attente, je souffrirai, Mais quand tu seras là, je renaîtrai.
Tous les jours de ma vie."

E. N. Jr.







agradeço a Cleiton Salvador pela ajuda nos pontos e vírgulas. rs




"Como uma história que inventa o seu fim
quero inventar um você para mim
Vai ser melhor quando te conhecer. Olho no olho e flor no jardim. Flor, amor
Vento devagar vem, vai, vem mais" (Tulipa Ruiz - Do amor)







quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Pitty - Só Agora


Baby, tanto a aprender
Meu colo alimenta você e a mim
Deixa eu mimar você, adorar você
Agora, só agora

Porque um dia eu sei
Vou ter que deixá-lo ir


Sabe, serei seu lar se quiser
Sem pressa, do jeito que tem que ser
O que mais posso fazer
Só te olhar dormir


Agora, só agora
Correndo pelo campo
Antes de deixá-lo ir


Muda a estação
Necessários são
Você a florescer.
Calmamente, lindamente


Mesmo quando eu não mais estiver
Lembre que me ouviu dizer
O quanto me importei
E o que eu senti


Agora, só agora
Talvez você perceba
Que eu nunca vou deixá-lo ir
Que eu nunca vou deixá-lo ir
Eu não vou deixá-lo ir .

[letra]
http://www.vagalume.com.br/pitty/so-agora.html#ixzz24ylGB1f2





Pittynome artístico de Priscilla Novaes Leone (Salvador7 de outubro de 1977), é uma cantora brasileira de rock. Já passou por duas bandas antigas, Inkoma e Shes, e em 2003, com nova banda (Pitty), a cantora adotou definitivamente seu nome artístico. Vendeu mais de cinco milhões de cópias na carreira, sendo uma das bandas de rock que mais venderam nos anos 2000. Pitty foi eleita a cantora de rock mais sexy e bonita da América Latina e no Brasil, e, ainda a 35º vocalista de rock mais sexy do mundo em 2010. Atualmente, Pitty está apresentando seu novo projeto paralelo, Agridoce, junto de seu guitarrista, Martin (banda Pitty). A cantora definiu que a banda continuará a seguir normalmente, apesar de Agridoce ser um projeto paralelo distinto de sua banda de rock, e já afirmou que são ritmos diferentes; o gênero do agridoce é um pouco indefinido e até brincou apelidando o gênero do projeto de "fofolk", "folk".

(fonte - Wikipédia)

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Little Joy - Evaporar


Tempo a gente tem
Quanto a gente dá
Corre o que correr
Custa o que custar
Tempo a gente dá
Quanto a gente tem
Custa o que correr
Corre o que custar
O tempo que eu perdi
Só agora eu sei
Aprender a dar foi o que ganhei
E ando ainda atrás desse tempo ter
Pude não correr pra ele me encontrar
Não se mexer
Beija-flor no ar
O rio fica lá, a água é que correu
Chega na maré, ele vira mar
Como se morrer fosse desaguar
Derramar no céu, se purificar
Deixar pra trás sais e minerais
Evaporar